49a. Semana Espírita de Anápolis

José J. Veiga e a Normalidade do Absurdo

Fonte: José J. Veiga e a Normalidade do Absurdo ~ Croqui Blog Literário

SAO PAULO 06-03-2015 O ESCRITOR JOSÉ J. VEIGA. FOTO ARQUIVO PESSOAL

José J. Veiga nasceu no dia 2 de fevereiro de 1915, em Corumbá de Goiás. Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde estudou na Faculdade Nacional de Direito. Foi comentarista na BBC de Londres e trabalhou como jornalista d’O Globo e da Tribuna da Imprensa, entre outros veículos. Aos 44 anos, estreou na literatura com Os Cavalinhos de Platiplanto. Seus livros foram traduzidos para diversos países, entre eles Portugal, Espanha, Estados Unidos e Inglaterra, e pelo conjunto da obra ganhou o prêmio Machado de Assis, outorgado pela Academia Brasileira de Letras, além de três Jabutis. Faleceu no dia 19 de setembro de 1999.

Memórias da ditadura – A maior referência na web sobre a ditadura militar no Brasil

Conforme relata o LE MONDE DIPLOMATIC BRASIL, o portal “Memórias da ditadura” do Instituto Vladimir Herzog, realizado em parceria com a Secretaria Nacional de Direitos Humanos e o Pnud, com a participação do jornalista André Deak, é sem dúvida o trabalho mais extenso que existe on-line sobre o período entre 1964 e 1985. Destaque para o mapa em que se podem ver ou deixar depoimentos de suas memórias sobre o período, já com histórias incríveis e emocionantes. http://memoriasdaditadura.org.br.

Fonte: Memórias da ditadura – A maior referência na web sobre a ditadura militar no Brasil

Secretaria de Cultura divulga filmes do 7º Anápolis Festival de Cinema

Fabiana Assis
A cineasta goiana Fabiana Assis estará
presente com o filme “Real Conquista”.

O 7º Anápolis Festival de Cinema acontece entre os dias 24 e 31 de julho e os filmes que serão apresentados nas mostras competitivas foram selecionados e divulgados nesta semana pela Secretaria Municipal de Cultura (confira abaixo a lista).

Sobre a distribuição de prêmios, o secretário de Cultura, Erivelson Borges, destaca que cada um dos filmes vencedores nas categorias Melhor Curta-Metragem de Ficção Nacional, Melhor Curta-Metragem de Ficção do Centro-Oeste e Melhor Curta-Metragem Documentário do Centro-Oeste ganham R$ 10 mil. As categorias Melhor Direção, Melhor Atuação, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora levam R$ 1 mil de premiação.

Para os curtas anapolinos de ficção ou documentário há uma premiação especial – o Prêmio Incentivar – no valor de R$ 30 mil. O vencedor nesta categoria fica com o compromisso de produzir um curta para exibição na abertura do Anápolis Festival de Cinema do ano seguinte. Outro incentivo para os realizadores do audiovisual anapolino é o Prêmio Walter Webb, que concede R$ 5 mil para curtas de ficção ou documentário.

A mostra Filme do Minuto Anapolino, lançada na quinta edição do Anápolis Festival de Cinema, a partir deste ano é destinada somente aos estudantes do Ensino Médio. As produções audiovisuais de até 60 segundos serão selecionadas e submetidas a voto popular durante o evento. O ganhador leva um prêmio de R$ 2 mil para casa.

Filmes selecionados

DOCUMENTÁRIOS – CENTRO-OESTE

Meu nome é Coraci (11min, Goiânia, 2017), de Adan Sousa.

– Para não esquecer (09min, Goiânia, 2016), de Rafael de Almeida.

– Real Conquista (15min, Goiânia, 2016), de Fabiana Assis.

– Retratos da alma (20min, Brasília, 2016), de Leonardo Bello.

– Zaragata (10min, Goiânia, 2016), de Daniel Oliveira.

FICÇÕES – CENTRO-OESTE

– Fantasma cidade fantasma (14min, DF, 2016), de Pedro B.

Intocável (17min, Goiânia, 2017), de Matheus Medeiros.

– O pequeno pé grande (15min, Brasília, 2016), de Leo Bello.

– Passagem (25min, Goiânia, 2016), de Ernesto Rheinboldt , Thomaz Magalhães.

– Viúve negra (15min, Goiânia, 2017), de Vanessa Gouveia.

FICÇÕES NACIONAIS

– Aquela rua tão triumpho (16min, São Paulo, 2016), de Gabriel Carneiro.

– Eclipse solar (26min, Espírito Santo, 2016), de Rodrigo de Oliveira.

– Dimante, o Bailarina (22min, São Paulo, 2016), de Pedro Jorge.

– Em torno do sol (12min, Rio Grande do Norte, 2016), de Julio Castro, Vlamir Cruz.

– Os desejos de Míriam (20min, Alagoas, 2016), de Nuno Balducci.

DOCUMENTÁRIOS E FICÇÕES ANAPOLINOS

– Enzo (18min, Anápolis, 2016), de Daniel Duarte.

– Garota do parque (12min, Anápolis, 2017), de Julius César.

– Ida sem volta (19min, Anápolis, 2017), de Kallebe Rodrigues.

– Indelével (20min, Anápolis, ) DOC, de José Akashi Junior.

– João de Barro (22min, Anápolis, 2017), de Absair Weston.

– Kouka (11min, Anápolis, 2017), de Jackeline Weston.

– Morgana (7min, Anápolis, 2017), de Elizete França.

– O tempo de Tomás (11min, Anápolis, 2017), de Jackeline Weston.

– Sistema de segurança (19min, Anápolis, 2017), de Jonathas Veloso .

– SOS lojistas do Terminal (9min, Anápolis, 2017), de Alvinan Magno.

FESTIVAL DO MINUTO

– Bullyng

– Vida

 

Parque do Ipiranga

”Os seres humanos tem poderes sobrenaturais” 

Microscopicamente, não há nada natural, tudo é vibração, tudo é feito de energia condensada. Vivemos em um universo de vibrações e nossos corpos são constituídos de vibrações de energia que nós emanamos constantemente.

Fonte: Manuscrito ocultado por 2 mil anos pelo Vaticano revela: ”Os seres humanos tem poderes sobrenaturais” – Sempre Questione