Anápolis tem agenda cultural neste mês de julho

Joardo
A Prefeitura de Anápolis tem uma programação cultural para este mês de julho, quando a cidade comemora seu aniversário. Entre os eventos programados está a mostra individual do artista visual Joardo Filho –  “Espaços Invisíveis”, que acontece no Museu de Artes Plásticas, na Praça Americano do Brasil; o 7º Anápolis Festival de Cinema, entre os dias 24 e 31 de julho, no Teatro Municipal e, no mês de agosto, a partir do dia 26, o 23º Salão Anapolino de Anápolis, que acontece na Galeria Antônio Sibasolly, na Praça Bom Jesus.

7º Anápolis Festival de Cinema – Filmes selecionados

Continuar lendo

Anúncios

49a. Semana Espírita de Anápolis

Secretaria de Cultura divulga filmes do 7º Anápolis Festival de Cinema

Fabiana Assis
A cineasta goiana Fabiana Assis estará
presente com o filme “Real Conquista”.

O 7º Anápolis Festival de Cinema acontece entre os dias 24 e 31 de julho e os filmes que serão apresentados nas mostras competitivas foram selecionados e divulgados nesta semana pela Secretaria Municipal de Cultura (confira abaixo a lista).

Sobre a distribuição de prêmios, o secretário de Cultura, Erivelson Borges, destaca que cada um dos filmes vencedores nas categorias Melhor Curta-Metragem de Ficção Nacional, Melhor Curta-Metragem de Ficção do Centro-Oeste e Melhor Curta-Metragem Documentário do Centro-Oeste ganham R$ 10 mil. As categorias Melhor Direção, Melhor Atuação, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora levam R$ 1 mil de premiação.

Para os curtas anapolinos de ficção ou documentário há uma premiação especial – o Prêmio Incentivar – no valor de R$ 30 mil. O vencedor nesta categoria fica com o compromisso de produzir um curta para exibição na abertura do Anápolis Festival de Cinema do ano seguinte. Outro incentivo para os realizadores do audiovisual anapolino é o Prêmio Walter Webb, que concede R$ 5 mil para curtas de ficção ou documentário.

A mostra Filme do Minuto Anapolino, lançada na quinta edição do Anápolis Festival de Cinema, a partir deste ano é destinada somente aos estudantes do Ensino Médio. As produções audiovisuais de até 60 segundos serão selecionadas e submetidas a voto popular durante o evento. O ganhador leva um prêmio de R$ 2 mil para casa.

Filmes selecionados

DOCUMENTÁRIOS – CENTRO-OESTE

Meu nome é Coraci (11min, Goiânia, 2017), de Adan Sousa.

– Para não esquecer (09min, Goiânia, 2016), de Rafael de Almeida.

– Real Conquista (15min, Goiânia, 2016), de Fabiana Assis.

– Retratos da alma (20min, Brasília, 2016), de Leonardo Bello.

– Zaragata (10min, Goiânia, 2016), de Daniel Oliveira.

FICÇÕES – CENTRO-OESTE

– Fantasma cidade fantasma (14min, DF, 2016), de Pedro B.

Intocável (17min, Goiânia, 2017), de Matheus Medeiros.

– O pequeno pé grande (15min, Brasília, 2016), de Leo Bello.

– Passagem (25min, Goiânia, 2016), de Ernesto Rheinboldt , Thomaz Magalhães.

– Viúve negra (15min, Goiânia, 2017), de Vanessa Gouveia.

FICÇÕES NACIONAIS

– Aquela rua tão triumpho (16min, São Paulo, 2016), de Gabriel Carneiro.

– Eclipse solar (26min, Espírito Santo, 2016), de Rodrigo de Oliveira.

– Dimante, o Bailarina (22min, São Paulo, 2016), de Pedro Jorge.

– Em torno do sol (12min, Rio Grande do Norte, 2016), de Julio Castro, Vlamir Cruz.

– Os desejos de Míriam (20min, Alagoas, 2016), de Nuno Balducci.

DOCUMENTÁRIOS E FICÇÕES ANAPOLINOS

– Enzo (18min, Anápolis, 2016), de Daniel Duarte.

– Garota do parque (12min, Anápolis, 2017), de Julius César.

– Ida sem volta (19min, Anápolis, 2017), de Kallebe Rodrigues.

– Indelével (20min, Anápolis, ) DOC, de José Akashi Junior.

– João de Barro (22min, Anápolis, 2017), de Absair Weston.

– Kouka (11min, Anápolis, 2017), de Jackeline Weston.

– Morgana (7min, Anápolis, 2017), de Elizete França.

– O tempo de Tomás (11min, Anápolis, 2017), de Jackeline Weston.

– Sistema de segurança (19min, Anápolis, 2017), de Jonathas Veloso .

– SOS lojistas do Terminal (9min, Anápolis, 2017), de Alvinan Magno.

FESTIVAL DO MINUTO

– Bullyng

– Vida

 

Clóvis Bueno, 107 anos, homenageado em Anápolis

Com a presença do Presidente da Fundação Dinarco Reis, Dinarco Reis Filho; do Secretário Geral do PCB, Ivan Pinheiro, da Secretária Política do PCB em Goiás, Marta Jane e de vários militantes do Partido no Estado, Clóvis Bueno, que fará 107 anos em novembro deste ano, recebeu, no dia 23/07/2014, a Medalha Dinarco Reis, em concorrida e emocionante cerimônia em Anápolis (GO), realizada no Colégio Galileu.

O ato contou com a presença da esposa, filhos, parentes, amigos e companheiros de Clóvis Bueno e intelectuais da cidade de Anápolis, que discorreram sobre as lutas populares e a presença dos comunistas na história da cidade e região. Usaram da palavra os representantes do PCB e da Fundação Dinarco Reis, um dirigente do PSOL, os filhos de Clóvis Bueno e camaradas contemporâneos de lutas do homenageado.

Dinarco Reis Filho resumiu a história ainda viva de Clóvis Bueno, no momento que antecedeu a entrega da Medalha que leva o nome de seu pai, Dinarco Reis, que foi um membro do Comitê Central do Partido que marcou sua militância pela coragem revolucionária e pelo espírito internacionalista. Assim foi resumida a vida do camarada Clóvis Bueno:

“Clóvis Bueno fará 107 anos em 2014, já que nasceu no dia 30 de novembro de 1907, na cidade da Maranguape, Estado do Ceará. Foi para o Rio de Janeiro onde se formou em agrimensura e por lá entrou no PCB (Partido Comunista Brasileiro). Teve contato com Luiz Carlos Prestes e conviveu mais de perto com Carlos Marighela. Participou do levante popular de 1935 que pretendia derrubar Getúlio Vargas do poder, movimento que ficou conhecido como Insurreição Comunista de 1935. Por conta disso, foi preso por três anos e depois resolveu ir para São Paulo, onde trabalhou em um escritório de advocacia. Com as perseguições ainda no Estado Novo (1937-1945), resolveu se interiorizar. Vai para Campinas, depois Triângulo Mineiro e por fim chega a Goiás no início da década quarenta. Em Corumbaíba conhece Abissínia e já são 61 anos de casamento, com três filhos, dois morando em São Paulo e um em Brasília. Tem apenas um neto, sobre isso os dois brincam dizendo que os filhos não foram muito produtivos. O primogênito recebeu o nome de Lenine, uma homenagem ao líder da Revolução Russa de 1917. Em 1945 migra para Pires do Rio, onde funda o PCB. Participou das lutas históricas do Partido como a Campanha do Petróleo em 1953, da resistência ao regime militar, entre as décadas de sessenta e oitenta e da campanha pela abertura política na década de oitenta. Após o fim do regime militar, Clóvis se reintegra ao PCB no ano de 1985. Ainda hoje participa das discussões políticas tanto na cidade, quanto no Brasil. Desde 1948 mora em Anápolis com Abissínia Bueno Monteiro, que, sempre com bom humor, lembra os fatos que também viveu com seu companheiro de vida.”

Fonte: http://pcb.org.br/

IMG_0285

 

44ª Semana Espírita de Anápolis

O Conselho Espírita Regional (CER – 9ª Região) está coordenando a realização da 44ª Semana Espírita de Anápolis, que acontece no período de 1º a 07 de julho, no auditório do Forum de Anápolis. É uma oportunidade para quem quer conhecer melhor a doutrina de Allan Kardec e o tema central do encontro é “Espiritismo: uma nova era para a humanidade”.

SEMINÁRIO

O encontro tem início no domingo (dia 1º/7) pela manhã, quando acontece um seminário com Suely Caldas Schubert, que fala sobre “Mediunidade e Transição Planetária”, com início às 9 h e encerramento às 12 h.

PALESTRAS – 20 HORAS

01/07 – Suely Caldas Schubert – Espiritismo: uma nova era para humanidade.
02/07 – Marta Antunes – A desintegração familiar
03/07 – Max Lânio Lacerda – Terra: planeta de regeneração
04/07 – Heber Carlos de Oliveira – A crise de consciência e os valores morais
05/07 – Henri Heine Olivier – A grande transição
06/07 – Carlos Campetti – O Juízo Final da visão espírita
07/07 – Geraldo Campetti – As alegorias apocalípticas do Evagelho

O cultivo de orquídeas em Anápolis

Por Luiz Carlos Mendes

O prefeito Antonio Gomide com o presidente da Associação Orquidofila de Anápolis, Afonso Vasques, na 13ª Exposição, realizada em 2010.

Acontece em Anápolis, entre os dias 19 a 31 de julho, a 14ª Exposição Nacional de Orquídeas de Anápolis, atividade que integra as comemorações do aniversário da cidade. A exposição é promovida pela Associação Orquidófila de Anápolis, com o apoio da Prefeitura Municipal, e constitui, segundo o presidente da entidade, Afonso Vasques, uma grande oportunidade para que o público conheça mais sobre esta atividade e também possa adquirir plantas de alta qualidade, com preços reduzidos.

Esta exposição anual é uma das principais atividades da Associação Orquidófila de Anápolis, entidade fundada em 03 de agosto de 1996 e que tem entre os seus objetivos incentivar e divulgar o cultivo de orquídeas em nosso município. Para atingir esse objetivo a entidade promove exposições anuais e mostras de orquídeas, sempre com a presença de vendedores de outros estados e com a realização de cursos para iniciantes. Contando atualmente com 30 associados, a entidade realizada reuniões mensais, com palestras e outras atividades.

Orquidofilia é a atividade voltada para o cultivo e o conhecimento das orquídeas, uma das mais nobres famílias de flores que o mundo conhece. Trata-se de uma atividade cultural e técnica, que exige estudo e dedicação. É muito difundida no Brasil, inclusive em Goiás, onde diversas associações congregam as pessoas que amam e cultivam as orquídeas.

A Associação Orquidófila de Anápolis foi fundada em 1996 e nesse período foi conduzida por três presidentes: Valdinho Chaveiro, fundador da entidade, José Francisco e o atual presidente, Afonso Vasques. A entidade anapolina é filiada à Coordenadoria das Associação Orquidófilas do Brasil (CAOB) e também à recém criada Federação das Associações Orquidófilas do Cerrado (FUNCER), que congrega as associações de Goiás, Distrito Federal e Triângulo Mineiro.

A Associação tem como principal atividade a realização da Exposição Anual, evento que mobiliza uma média de seis a oito vendedores profissionais, geralmente do Estado de São Paulo, que disponibilizam plantas, adubos e outros equipamentos especializados. A exposição é dividida em duas partes: a venda de plantas e a exposição e premiação das melhores plantas, com a participação de orquidófilos de Anápolis e região.

Além do apoio da Prefeitura Municipal, sempre presente ao longo dos últimos anos, a exposição conta também com o apoio de algumas empresas da cidade, como o Café Rancheiro, TV Tocantins, Caixa Econômica Federal, Laboratório Evangélico, Hotel Via Universitária, Floreslândia Decorações, Paixão Grill, Água Mineral Nina e da imprensa em geral. A exposição é sempre realizada em dos shoppings da cidade e mobiliza uma média de 20 mil visitantes. Um acontecimento!

Orquidário Municipal

Ao longo destes anos de atuação, a Associação Orquidófila vem lutando para conseguir implantar, em Anápolis, um Orquidário Municipal. Trata-se de um local destinado à visitação pública, de forma permanente, funcionando também como um ponto de venda de plantas.

O primeiro passo nesse sentido ocorreu com a aprovação da Lei Municipal nº 3.166, de 07 de dezembro de 2005, que criou o Orquidário Municipal de Anápolis, como unidade administrativa da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A lei prevê ainda que o Orquidário Municipal deverá ser instalado nas dependências da Floricultura Municipal, localizada no Bairro Jundiaí, hoje transformada no Parque Ambiental Ipiranga.

Neste ano de 2011 o objetivo foi alcançado, com a inauguração do Parque Ipiranga e a decisão do prefeito de Anápolis, Antônio Roberto Gomide, de autorizar a instalação do Orquidário Municipal, em uma área especialmente criada para esta finalidade. O Orquidário Municipal já está em funcionamento, permitindo aos visitando um maior contado com a orquidofilia, através da contemplação e aquisição de plantas e insumos. O Orquidário Municipal promove ainda cursos de iniciação, sempre no primeiro sábado de cada mês, abertos a toda comunidade.

Diretoria

A atual diretoria da Associação Orquidófila de Anápolis tem a seguinte composição: Presidente, Afonso Vasques; Vice-presidente, Laurent Quèno; 1º Secretário, Luiz Carlos Duarte Mendes; 2º Secretário, Leslie Brossi Alemi; 1º Tesoureiro, Neusa Vasques; 2º Tesoureiro, Regina Célia Mendes e Diretor Social, Onaide Santillo. Integram o Conselho Fiscal Gilvanete Honorato e Chesman Gley de Souza Cruz.