Cláudio Mendes

O advogado e odontólogo Cláudio Mendes nasceu na cidade de Goiás, em 23 de agosto de 1.925, onde seus pais – Benedito Mendes e Doralice Póvoa Mendes – possuíam um pequeno armazém. Fez seus primeiros estudos no Lyceu de Goiás, ainda na antiga capital, transferindo-se em seguida para o Rio de Janeiro, onde em 1.949 concluiu o curso superior de odontologia, na Faculdade Fluminense de Medicina.

O advogado e odontólogo Cláudio Mendes.

Retornando ao estado de Goiás fixou residência na cidade de Anápolis, onde constituiu família e desenvolveu sua vida profissional, social e política. Casou-se, em 1.954, com a então bancária Maristela Duarte Mendes, com quem teve os filhos Luiz Carlos Duarte Mendes (1.956), Nádia Duarte Mendes (1.958), Luiz Roberto Duarte Mendes (1.960) e Luiz Eduardo Duarte Mendes (1.961). Aqui em Goiás fez o curso de Direito, na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás, colando grau em 1.958. Faleceu na cidade de Anápolis em 02 de junho de 1.965, aos 39 anos de idade e no auge de suas atividades profissionais e políticas.

Atividades profissionais

No Rio de Janeiro viveu entre os anos de 1.945 e 1.950 e, enquanto cursava a Faculdade de Odontologia, deu aulas e trabalhou na Caixa de Crédito Cooperativo, órgão ligado ao Ministério da Agricultura. No Rio de Janeiro fez um bom círculo de amizades, registrada em volumosa correspondência pessoal e foi colega de república dos goianos Omar Carneiro, Anuar Auad, Amim Antônio e dos jornalistas Waldir Amaral e João Saldanha. Apaixonado pelo futebol, era torcedor do Botafogo, clube onde foi remador durante algum tempo.

Em Anápolis, para onde se transferiu no começo da década de 50, iniciou as lides profissionais com um consultório odontológico instalado na Rua 15 de Dezembro nº 120, tendo nessa atividade carinho especial com crianças.

Após a conclusão do curso de Direito, em 1958, montou escritório de advocacia , instalado na praça Bom Jesus, nº 67, tendo como colegas de banca os advogados Fernando Cunha Júnior e Iram Vitoriano de Souza[1]. Advogou principalmente nas áreas comercial e trabalhista, tendo prestado serviços para a Associação Profissional dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Anápolis e para o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Brasília.

Atuou também no magistério, tendo sido professor na Escola de Comércio de Anápolis e na Faculdade de Ciências Econômicas de Anápolis, onde lecionava Economia Política. Preocupado com sua própria formação intelectual, desenvolveu pesquisas na área de Economia Política, formou valiosa biblioteca e manteve intensa correspondência com livreiros e editores.

Ao lado dessas atividades, trabalhou também na área imobiliária e, pelo volume dos negócios que realizou, demonstrou ter sido um corretor vocacionado. Foi sócio da empresa JK Imóveis, em Anápolis, e posteriormente fundou as empresas Bolsa de Imóveis de Brasília Ltda (1.960) e Inca – Incorporadora e Administradora de Imóveis Ltda, esta última instalada em Goiânia, no ano de 1.963. Lançou, em Anápolis, os loteamentos Jardim Eldorado, Jardim Planalto e Setor Industrial, tendo ainda sido sócio da Gráfica Alvorada.

Atividades sociais

Possuidor de um temperamento afável, segundo contam seus contemporâneos, Cláudio Mendes valorizava a vida social e esportiva e foi membro do Clube Recreativo Anapolino, Jóquei Clube de Anápolis, Jundiaí Praia Clube (entidade que ajudou a criar), Clube Jaó, Anápolis Futebol Clube, Goiás Esporte Clube e Ipiranga Atlético Clube, clube pelo qual sempre lutou para fortalecer. Após sua morte foi homenageado pelo Ipiranga, que deu ao parque infantil instalado na sede social o nome de Cláudio Mendes.

Esta paixão pelo Ipiranga está registrada em artigo do jornalista Jauhyr Lobo, publicado no Boletim “O Craque”, editado pelo Departamento de Esportes da Rádio Imprensa, em 28/11/1965:

“Lembro-me, como se fosse hoje, daquelas memoráveis reuniõs da diretoria do Ipiranga em casa do saudoso Dr. Cláudio Mendes. Era mesmo ali, à Rua Manoel D’Abadia. Vários aspectos interessantes proporcionavam aquelas reuniões. Dificilmente os esqueço. Também pudera, vendo Dr. Cláudio Mendes, envergando seu tradicional pijama de cor branca, assentado à cabeceira da mesa dizendo do seu entusiasmo e da sua confiança no futuro brilhante do alvinegro; ouvindo o David Esteves ‘gozar’ as falhas e confusões lá pelos arraiais do Anápolis e da Anapolina; presenciando as exposições do Jair Fernandes quanto às possibilidades de sucesso; saboreando o cafezinho – sempre indispensável – que nos servia amavelmente Da. Maristela e, com estas e outras quem poderia esquecê-los? Claro que tenho razão para recordá-los…”

Atividades políticas

Cláudio Mendes participou da vida política brasileira e desde os tempos de estudante, ainda no Rio de Janeiro, atuou junto ao extinto Partido Comunista Brasileiro, o “Partidão”. Em Goiás defendeu com convicção suas ideias e participou ativamente da vida política local. Membro da Associação Goiana de Imprensa (AGI), fundou o jornal “Frente Popular”, lutou elo partido, defendeu o governo João Goulart e participou do governo Mauro Borges, onde ocupou o cargo de Chefe do Departamento Estadual de Saneamento. Com o advento do Golpe de 64 e em consequência de suas ideias políticas foi demitido do cargo, com base no Ato Institucional de 9/4/64, enfrentou uma prisão política, em Goiânia e veio a falecer em 2/6/1965, fulminado por um enfarte, em casa. Foi um homem do seu tempo e deixou uma vida ilustrada de exemplos de dedicação à família, ao trabalho, à comunidade e ao seu País. (Luiz Carlos Mendes / Texto redigido em 4/3/1.993)


[1] Fernando Cunha exerceu o cargo de deputado federal por Goiás por cinco mandatos consecutivos entre 1971 e 1992 e Iran Vitoriano de Souza ingressou na magistratura goiana, onde ficou até a aposentadoria.

44ª Semana Espírita de Anápolis

O Conselho Espírita Regional (CER – 9ª Região) está coordenando a realização da 44ª Semana Espírita de Anápolis, que acontece no período de 1º a 07 de julho, no auditório do Forum de Anápolis. É uma oportunidade para quem quer conhecer melhor a doutrina de Allan Kardec e o tema central do encontro é “Espiritismo: uma nova era para a humanidade”.

SEMINÁRIO

O encontro tem início no domingo (dia 1º/7) pela manhã, quando acontece um seminário com Suely Caldas Schubert, que fala sobre “Mediunidade e Transição Planetária”, com início às 9 h e encerramento às 12 h.

PALESTRAS – 20 HORAS

01/07 – Suely Caldas Schubert – Espiritismo: uma nova era para humanidade.
02/07 – Marta Antunes – A desintegração familiar
03/07 – Max Lânio Lacerda – Terra: planeta de regeneração
04/07 – Heber Carlos de Oliveira – A crise de consciência e os valores morais
05/07 – Henri Heine Olivier – A grande transição
06/07 – Carlos Campetti – O Juízo Final da visão espírita
07/07 – Geraldo Campetti – As alegorias apocalípticas do Evagelho

Livro conta a história da comunidade árabe em Anápolis

A história da comunidade árabe em Anápolis está sendo contada na obra “Dos Cedros ao Cerrado – História dos sírios e libaneses de Anápolis”, que será lançada nesta sexta feira, dia 20, as 19 h, no Espaço Lune, localizado às margens da BR 153. O livro foi escrito por Amador de Arimathéa, historiador anapolino e Lindberg Cury, membro da comunidade árabe.

Amador de Arimathéa explica que o livro relata desde a chegada do primeiro árabe, Joaquim Ésper, à Anápolis em 1903 até a atualidade. Segundo o autor, a obra cita 203 famílias integrantes da Comunidade Sírio Libanesa, composta hoje por 1322 membros. “Eu tive o prazer de conhecer o Oriente Médio e sei que sou filiado umbilicalmente à raça árabe. O nosso objetivo é resgatar a memória desta comunidade”, afirma.

O outro autor da obra, Lindberg Cury, tem laços genéticos árabes. Filho de libaneses que chegaram à Anápolis em 1918, sempre teve vontade de contar a história dos descendentes. “Sempre tive admiração por este povo que já passou por inúmeras lutas. Nada mais justo do que contar um pouco desta história que também é minha”.